Durante premiação, Cáritas Brasileira assinou um termo de adesão e parceria do Plano Juventude Viva da Secretaria Nacional de Juventude do governo federal

A cerimônia de entrega do III Prêmio Odair Firmino de Solidariedade, que ocorreu na última sexta-feira, dia 9, em Brasília (DF), foi marcada pela emoção e pela denúncia da atual realidade dos jovens brasileiros. Com o tema “Juventude, desenvolvimento e solidariedade”, o prêmio, promovido pela Cáritas Brasileira, chegou a sua terceira edição com recorde de inscrições. Ao todo, a entidade recebeu 97 experiências das cinco regiões do país.

Conheça as três experiências finalistas AQUI

O terceiro lugar ficou com o projeto de Flores, em Pernambuco, “Jovens multiplicadores de agroecologia”. Janaína Maria dos Santos foi a representante do grupo que, além de troféu, recebeu a premiação no valor de R$ 3 mil. “É muito gratificante ver que nosso trabalho está sendo reconhecido. A gente sofre muito com a seca no semiárido e é preciso que as pessoas trabalhem com a agricultura familiar preservando o meio ambiente e de forma sustentável”, salientou.

Janaína Maria dos Santos, representante do “Jovens Multiplicadores de Agroecologia”, recebe o terceiro lugar de Dom Leonardo Ulrich Steiner

Foi da cidade portuária de Paranaguá, no Paraná, que veio a experiência ganhadora do segundo lugar. “Navegando nos direitos”, representado pela jovem Lucimeire da Silva Martins, também recebeu troféu, certificado e a premiação no valor de R$ 5 mil. “Gostaria de agradecer em nome do todos os jovens de Paranaguá. Os jovens estão se organizando e atuando e esse prêmio é um incentivo para dizer que não estamos sozinhos.”

Lucimeire da Silva Martins, representante do projeto “Navegando nos Direitos”, recebe de Severine Macedo o troféu de segundo lugar

O grupo “Urucongo de Artes”, da cidade de Crato, no Ceará, foi o grande vencedor do III Prêmio Odair Firmino de Solidariedade. Além de troféu e certificado, o grupo recebeu a premiação no valor de R$ 10 mil para incentivo e fortalecimento da experiência. Ana Cristina Nascimento, representante do grupo que veio a Brasília para a cerimônia disse que ficou muito feliz pela conquista. “Estou muito feliz principalmente pela visibilidade que nosso grupo ganha a partir de agora. Eu me sinto aqui representando os 97 projetos inscritos e todos os grupos que defendem e lutam pela juventude”, destacou emocionada.

Dadiva Firmino entrega o primeiro lugar para Ana Cristina Nascimento, representante do Grupo Urucongo de Artes

Assista ao vídeo que foi apresentado durante a cerimônia:

Antes da entrega oficial dos prêmios, um painel com a temática “Juventude, desenvolvimento e solidariedade” foi apresentado por Anadete Gonçalves Reis, vice-presidente da Cáritas Brasileira, Luiz Cláudio Mandela, membro da coordenação colegiada nacional da Cáritas Brasileira, Jefferson Souza, educador do Programa Infância, Adolescência e Juventude do regional Nordeste 2 da Cáritas Brasileira, Dom Leonardo Ulrich Steiner, secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Severine Macedo, secretária nacional de Juventude do governo federal, Paulo Maldos, da Secretaria de Articulação Social da Presidência da República, Alessandra Miranda, assessora nacional de Direitos Humanos da Cáritas Brasileira, e Dadiva Firmino, viúva de Odair Firmino, pessoa que dá nome ao prêmio. Conheça a história de Odair Firmino AQUI.

Representantes de diversas organizações estiveram presentes

“Um prêmio que a Cáritas criou no bojo de uma perda, não só da família de Odair, mas de toda rede Cáritas. Por meio do prêmio conseguimos dar continuidade a uma história que a cada ano mostra a diversidade das ações da rede que é dedicado não somente a Cáritas, mas a todas as entidades parceiras e amigas”, lembrou Anadete.

Dom Leonardo acolheu com muita alegria a premiação do III Prêmio Odair Firmino de Solidariedade. “É um momento importante para a Igreja que se expressa na caridade. A Cáritas preservou a expressão original. A caridade é a ação de amar e a Cáritas é a efetivação do amor. Todo o trabalho que a rede Cáritas realiza é a tentativa de sermos a expressão de quem ama, a quem foi dada a graça de amar.”

Luiz Claudio Mandela lembrou o extermínio sofrido pela juventude brasileira e, segundo ele, foi por esta motivação que a Cáritas foi motivada a seguir a CNBB que trará como tema da Campanha da Fraternidade de 2013 o tema: Fraternidade e Juventude. “São 67 cidades no Brasil que assassinam mais jovens em idade militar do que os paísesem guerra. Não! Nós não estamos em paz! As 97 experiências inscritas nos ensinaram a dizer que não se trata de estatísticas. São juventudes que têm se auto-organizado para barrar esse processo de extermínio e que nós enquanto organizações sociais, Igreja e governos temos que fazer com que essas experiências consigam virar uma onda viral para barrarmos esse processo de extermínio.”

Paulo Maldos, Dom Leonardo Ulrich Steiner e Anadete Gonçalves Reis

Paulo Maldos, da Secretaria de Articulação Social da Presidência da República, disse ainda que as pastorais sociais, bem como a Cáritas Brasileira, são o fermento da base da sociedade que humanizam, sensibilizam, civilizam e criam perspectivas de vida para o povo brasileiro. “A disseminação do protagonismo da juventude é muito importante para o governo, pois significa garantir perspectiva de vida e participação dos jovens. São processos como esses que fazem a democracia avançar no nosso país e que inspiram nossas políticas públicas para que elas sejam mais justas”, ressaltou Maldos que participou do painel representando o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.

Já Severine Macedo, secretária nacional de Juventude do Governo Federal, alertou sobre os dados alarmantes de homicídio contra a juventude no Brasil. “Quem mais morre hoje no país vítimas de homicídios são jovens, negros, das periferias dos grandes centros urbanos, com baixa escolaridade. Se quisermos calcular quantos jovens morrem no Brasil por mês é só imaginar que oito aviões cheio de jovens caem no Brasil todos os meses e nesses aviões 70% são jovens negros. Isso não á natural. Vamos continuar juntos nessa luta em defesa da vida.”

Nesta perspectiva, durante o painel, a Cáritas Brasileira assinou um termo de adesão e parceria do Plano Juventude Viva. Para saber mais sobre o plano CLIQUE AQUI.

Severine Macedo e Maria Cristina do Anjos, diretora executiva nacional da Cáritas Brasileira, assinam termo de parceria do Plano Juventude Viva

A cerimônia de entrega, que ocorreu no auditório Dom Helder Câmara na CNBB, ainda contou com a apresentação do grupo de Hip Hop Aborígene e um coquetel em comemoração aos 57 anos da Cáritas Brasileira. O Prêmio Odair Firmino faz parte da Semana da Solidariedade, promovida todos os anos pela Cáritas Brasileira de 5 a 12 de novembro em comemoração a sua data de fundação, 12 de novembro de 1956.

O grupo de Hip Hop Aborígene anima a cerimônia de entrega

Estiveram presente na cerimônia representantes da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB); da Pastoral da Pessoa Idosa; Instituto de Migração de Direitos Humanos; da Secretaria Geral da Presidência da República; da Secretaria Nacional de Juventude; do Conselho Indigenista Missionário (CIMI); da Assessoria da Controladoria Geral da união (CGU); dos povos indígenas Guarani-Kaiowá; do Instituto Marista de Solidariedade; do Fórum de Mudanças Climáticas; do Setor da Mobilidade Humana da CNBB; da Cáritas Regional Paraná; do IRPA Bahia; do Fórum Brasileiro de Economia Solidária; do Fórum de Juventude Negra; da Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES – MTE); e familiares de Odair Firmino.

12 de novembro, aniversário de fundação da Cáritas Brasileira que completa 57 anos de atuação social no país

Confira a galeria de fotos AQUI

por Thays Puzzi, assessora de Comunicação da Cáritas Brasileira / Secretariado Nacional – Fotos: Sérgio Alberto

No related posts.